Foto Fabíolla Duarte

Fabiolla Duarte, paulista, 40 anos, educadora formada na Inglaterra pelo Emerson College  e pela Belas Artes de São Paulo, doula e mãe de dois pequenos (uma menina que mora no astral e um menino que mora com ela, como prefere apresentá-los), é hoje autora colaboradora das páginas carregadas de boa informação do Vila Mamífera, o maior portal sobre maternidade ativa atualmente no Brasil. Fabíolla escreve sobre alimentação e comportamento no Vila em seu blog, o Colher de Pau.

Fabiolla trocou a formação em Educação pela alimentação. Atualmente oferece cursos e consultoria que norteiam a cultura alimentar e alimentação na infância sob uma perspectiva Antroposófica, além de inspirações da Macrobiótica, Alimentação Viva e dieta Paleolítica. Sua abordagem apropria-se, é claro, de sua experiência materna, mas também de alguns conceitos oferecidos pelo pediatra espanhol Carlos Gonzáles, da teoria da Criação com Apego (Attachment Parenting), do conceito acerca da maternagem e espelhamento trazido pela terapeuta argentina Laura Gutmam, e da ênfase dada à autonomia pela Pedagogia Montessoriana e Educação Ativa.

Questionadora do modus operandi guiado pela massificadora temática da introdução alimentar, ou seja, o momento em que o bebê deixa de consumir apenas leite materno para iniciar-se nos alimentos sólidos, a autora traz uma constatação que muitas famílias pouco refletem quando chega o marco dos seis meses do bebê: “comer é um processo autoral, então nenhum adulto deveria tomar para si esse momento”. Para ela, é o bebê quem toma a iniciativa da introdução alimentar de sólidos. Seja olhando e se jogando para o prato quente de arroz com feijão da mãe, ou estendendo a mão para buscar a banana do irmão mais velho. Ele não acontece, portanto, exatamente quando o bebê completa seis meses e sai com uma lista do pediatra de alimentos a ser dados semana-a-semana ou mês-a-mês. Além disso, acredita no chamado método BLW, ou baby-led-weaning, que leva em consideração aspectos da prontidão para o comer (fisiológica, cognitiva e psico-motora) como o melhor guia para uma introdução alimentar apaixonante.

“Introdução de alimentos, para o bebê, é momento de colocar em prática toda a máquina psico/motora e exercitar toda sua inteligência humana. O corpo é potente e altamente inteligente e quando somos bebês, estamos ligados diretamente às nossas necessidades. Esse corpo sabe o que precisa e seu querer é expressão disso. Comer autônomo, onde as mãos são veículos do corpo em apetite. Uma vivência sobre as bases de uma introdução de alimentos respeitosa e eficaz” , diz Fabiolla, que estará em Campo Grande nos próximos dias 30 e 31 de janeiro para ministrar dois cursos do seu projeto Colher de Pau, “Introdução Alimentar” e “Comportamento Alimentar, Educação e Cultura”.

Conheça mais sobre comportamento alimentar, introdução de alimentos e receitas da Fabiolla em seu blog http://vilamamifera.com/alimentoecomportamento/blog/.  Maiores informações dos cursos que acontecerão em Campo Grande pelo site www.aldeia.com.br, ou pelos telefones (67) 9131-9797/ 8412-1325/ 8409-1581/ 8409-1581.

colher de pau em cg

Sobre o Autor

Mãe apaixonada da Júlia e da Isadora, Jornalista, apaixonada pela profissão, por literatura, fotografia e por seus blogs. Descobriu um mundo totalmente novo depois da maternidade, se apaixonou por ele e veio os blogs, novos trabalhos, novas paixões e uma nova e emocionante forma de ver e viver a vida.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.