Chegou agosto e com ele o dia dos pais! Que bacana aproveitarmos a oportunidade para levantarmos alguns questionamentos e reflexões sobre a participação masculina na criação dos nossos filhotes!

Desde muito cedo atribuímos as meninas a ideia de que mulheres nascem sabendo ser mães e que homens precisam aprende a serem pais. O tempo passa e quando  o momento da maternidade acontece, muitas vezes nos perguntamos: “ Meu Deus, isso não deveria ser mais fácil?”

Os sentimentos de frustração, medo e responsabilidade absoluta, gritam e até sem percebermos, vamos tomando todos os espaços. O que sobra para o pai?

Posso inclusive ver a cena (até porque aconteceu comigo). Bebê pequeno em casa, a mãe, a sogra, as tias. Quando o pai se aproxima e ainda desajeitado, pega o pequeno no colo, logo já recebe uma enxurrada de recomendações: “Cuidado com a cabecinha!” “Não balança que vai regurgitar”. “Feche mais seus braços!” “Senta que é melhor!” E por aí vai…

Homens e mulheres foram criados desta forma, viram seus pais e seus avós vivendo esta realidade. Casam-se e repetem comportamentos que talvez não caibam mais nos dias de hoje. Pais que acabam se encolhendo em sua função paterna, o que é uma pena, diante de uma experiência que pode ser tão mais rica, maravilhosa e fundamental na vida da criança e do casal. Mães estressadas, sentindo-se sobrecarregadas e culpadas por acharem que não dão conta de tudo! Porque, para falar a verdade, não dão. E tudo bem!

Será que nós, mulheres, não estamos cobrando dos pais dos nossos filhos, que  não somente participem do processo, mas que façam as coisas como nós faríamos e não como sabem  fazer?

Na criação dos meus filhos, em muitos momentos, caí nesta armadilha! Puxamos para nós todas as responsabilidades e muitas vezes não oferecemos a chance deste homem ser participativo. Acontece que, se em meio a falta de espaço  ele se acomodar aí despertará a onça que existe em nós e adeus harmonia familiar. Não estou justificando a falta de participação de muitos pais, apenas levantando uma questão cultural e social que talvez possamos ajudar a desconstruir.

Mulheres e homens podem e devem aprender juntos a serem pais e mães. Mulheres não precisam saber tudo porque são fêmeas e homens não necessariamente não sabem nada!

O bebê vai crescendo e cada vez que o pai vai trocar uma fralda, criticamos por não ter passado a quantidade adequada de pomada, por ter bagunçado todo o trocador e se o “coitado” vai caprichar, lançamos logo um comentário: “Nooooossa, duas horas para trocar uma fralda. Era melhor eu ter feito!”

Pode ser que esta não seja a sua realidade e se não for, que bom! Sinal que já está em  processo para um novo olhar! Desde sempre ouvimos: “Ele é um ótimo pai. Me ajuda!” Espera aí, será que não tem algo errado nesta frase?

Podemos exercer com excelência nosso papel de mãe, mas o papel de pai é dele! Pais podem trocar fraldas e fazer papinhas maravilhosas. Pais podem brincar de boneca, serem conselheiros, estudarem para as provas e fazer tudo isso do jeito deles, como cada um sabe, como aprendeu.   

Se eventualmente o banho dado em nossos filhos, não for o melhor do mundo, ok! Porque o que dói para uma criança, não é dormir, de vez em quando, com o pé sujo, mas não ter a chance de estar próxima do seu pai. Será que estamos proporcionando de fato que isso aconteça? Vale a pena pensar no assunto!

Um beijão a todos e Feliz dia dos pais!

Jheruza Duailibi é mãe do Murillo (10 anos) e do João Antônio (7 anos). É Coach parental, ajuda famílias a atingirem sua melhor performance dentro de casa, frequentemente nos preocupamos com nossos resultados profissionais e não paramos para pensar que nosso maior projeto e desafio, são nossa família. Tem formação acadêmica em Comunicação Social. Pós-graduação em Comércio Exterior e Marketing Internacional pelo Instituto Europeu de Ensino Superior (Madri – Espanha) e é formada em COACHING pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC). Especializada em Coaching infantil – habilitada ao atendimento de crianças, famílias e professores – pela Rio Coaching. www.livingcoaching.com.br

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.